segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

ALIMENTAÇÃO CONSCIENTE II

Continuação de: ALIMENTAÇÃO CONSCIENTE I




Assista e surpreenda-se...

            Michael Pollan, no New York Times Magazine (veja artigo abaixo), conduz uma análise ponderada e de razoável profundidade sobre os fatores determinantes do tipo de nutrição a que somos induzidos, quais os setores da sociedade envolvidos, e como as pesquisas na área da nutrição modulam o comportamento de um consumo consciente ou não, de acordo com interesses nem sempre evidentes. O autor aponta fortes evidências de como a confusão e a desinformação sobre o assunto nutrição beneficia diretamente grupos específicos, sendo inclusive usada como estratégia de “especialistas” para que nada mude.




            Interessante um olhar mais atento à palavra “especialista” para que se desvincule de forma consciente os conceitos de especial e de especialista. Ora, ser especial é ser único, diferente, incomum, enfim algo que exalta qualidades pessoais e que porta um significado ou informação diferenciada. Quanto mais especial for uma pessoa, menos ela precisará do especialista. O sufixo “ista” que surge em especial + ista, aponta outra direção, na medida em que autoriza um grupo. Para se formar um especialista é preciso dispor de uma estrutura conceitual e de pessoas que criem um sistema de valores que autorize e tenha competência para compor socialmente este quadro, que ganha expressão justamente por meio de pequenas sociedades e associações. Estas organizações ganham espaço quando seus modelos de pensamento despertam a atenção e interesse dos governantes, que por sua vez cedem maior ou menor poder de expressão para as mesmas. Assim, as sociedades, de poetas mortos ou vivos, passam pelas sociedades profissionais em todos os níveis, partidos políticos e demais facções, alcançando seu mais alto grau de perversidade, ou melhor, desenvolvimento, nas sociedades anônimas, território nebuloso das corporações, enquanto regentes transcontinentais dos valores a serem tidos como “absolutos” para que um dado sistema de ordem social se mantenha operante. Enfim, assunto brilhantemente explorado com profundidade pelo documentário em quatro partes da BBC (The century of self – O século do self - http://vimeo.com/65256698).

            Surpresas a parte, para aprofundar a questão da alimentação com propriedade, cumpre sabermos que tudo o que diz respeito a este assunto está na base de todas as estruturas de poder no mundo moderno. Na dificuldade de encontrar tal associação, vale visitar ou pensar a respeito de algumas ideias, frases, nomes e estudos como:


Programa fome zero








“Nem só de pão o homem viverá, mas de toda palavra que procede da boca de Deus”.

“O que mata o homem não é o que entra pela boca, mas o que sai, pois a boca fala daquilo que o coração está cheio”.

Jesus Cristo – Especialista em Nutrição Espiritual





Desenvolvimento mundial:


David Servan-Schreiber - http://www.anticancerbook.com/


O esforço pessoal no sentido de melhorar a qualidade da alimentação, vai muito além da simples e necessária pesquisa dos alimentos e seus valores nutricionais. Sem a compreensão dos tecidos que fundamentam a constituição da sociedade humana, continuaremos a não compreender como é possível já sabermos tanto sobre a alimentação saudável e ao mesmo tempo termos feito tão pouco para implementá-la.

            Oportunamente será relevante prosseguir esta reflexão que longe de esgotar o tema, estimula saber mais sobre o que Hipócrates quis dizer há 2500 anos atrás.

SEJA SEU ALIMENTO

SEU MEDICAMENTO

E SEU MEDICAMENTO

SEU ALIMENTO

Hipócrates 460 a.C.



Nenhum comentário:

Postar um comentário