Especiais

Loading...

sábado, 1 de outubro de 2016

ALIMENTAÇÃO CONSCIENTE IX – O ALIMENTO DO FUTURO...

CONTINUAÇÃO DE:


        Atualmente, o alimento que recebemos internamente desfaz-se e decompõe-se devido ao calor interno do corpo, permitindo, desse modo, que o éter químico, com o qual estão impregnadas todas as partículas alimentares, se combine com o éter químico do nosso corpo vital. O alimento magnetizado pela ação do sol sobre as plantas é, então, assimilado e “permanece conosco” até que se esgote o magnetismo. Quanto mais diretamente os alimentos vierem do solo para nós, tanto mais magnetismo solar eles conterão. Consequentemente, eles “permanecerão conosco” durante um tempo maior se forem comidos crus. Quando um alimento sofre um processo de cozimento, uma parte do éter nele contido perde-se, pois certa parte das partículas sutis é dissolvida pelo calor e impregna o ar da cozinha com o odor do alimento do qual provém. Portanto, as células do alimento cozido permanecem menos tempo em nosso corpo que o alimento cru, e o alimento que já foi assimilado pelo animal contêm em si pouquíssimo éter químico (exceto o leite, que é obtido através de um processo vital e contem uma quantidade maior de éter que qualquer outro alimento**).

No que se refere à carne dos animais, podemos dizer que a maior parte do éter químico de suas rações foi absorvida pelo corpo vital antes que o animal fosse morto e, ao ocorrer a morte, o corpo vital deixa a carcaça. Portanto, a carne apodrece muito mais depressa que os vegetais e “permanece conosco” somente por pouco tempo depois que a comemos.

     A morte e a doença geralmente são devidas ao fato de insistirmos em tomar alimentos compostos de células desprovidas de seu éter químico individual, obtido durante a assimilação vegetal. Este éter é diferente e não deve ser confundido com o éter químico planetário que impregna os minerais, as plantas, os animais e o homem. A alimentação carnívora, privada pela morte do corpo vital individual que envolve o animal durante a vida, fica reduzida realmente à sua forma química mineral que tem pouco valor nos processos vitais. De fato, é prejudicial a eles e deve ser eliminada do sistema tão rapidamente quanto possível, pois sendo minerais, essas partículas de carne estão mortas e são de manipulação difícil. Portanto, elas gradualmente vão-se acumulando. Mesmo a parte dos vegetais que é composta de cinzas e minerais permanece em nosso sistema, de maneira que há um processo gradual de obstrução que nós consideramos como crescimento. Isto acontece porque privamos os vegetais e outros alimentos de seu éter químico. Se fôssemos semelhantes às plantas e capazes de impregnar os minerais com éter, seríamos provavelmente capazes de assimilá-los e desenvolver nossa estatura de um modo gigantesco, mas, tal como somos, o material morto acumula-se cada vez mais até que finalmente o crescimento para devido aos nossos poderes de assimilação terem-se tornado cada vez menos eficientes.

      Futuramente não digeriremos os alimentos no interior do corpo, mas extrairemos o éter químico e o inalaremos pelo nariz, onde ele entrará em contato com o corpo pituitário. Este é o órgão geral de assimilação e agente de crescimento. Nosso corpo tornar-se-á, então, cada vez mais etérico, os processos vitais não serão embaraçados pelos resíduos obstrutores e, consequentemente, a moléstia desaparecerá e a vida será prolongada. É significativo, em relação a este fato, que muitos cozinheiros não sentem apetite, pois o aroma picante dos pratos que preparam satisfazem-nos bastante.

     A ciência está aprendendo gradualmente as verdades anteriormente ensinadas pela ciência oculta, e sua atenção está sendo voltada para as glândulas endócrinas, que lhes darão a solução de muitos mistérios. Contudo, não parecem estar inteirados ainda de que há uma ligação física entre o corpo pituitário, o principal órgão de assimilação e, portanto, do crescimento, e as glândulas suprarrenais, que eliminam os resíduos e assimilam as proteínas. Elas também estão ligadas fisicamente com o baço, o timo e as glândulas tireoides. Nesta ligação, é significativo, do ponto de vista astrológico, que o corpo pituitário é regido por Urano, que é a oitava superior de Vênus, o regulador do plexo solar, onde está localizado o átomo semente do corpo vital. Deste modo, Vênus guarda a entrada do fluido vital que nos vem diretamente do Sol através do baço, e Urano é o guardião da porta de entrada do alimento físico. É a função dessas duas correntes que produz o poder latente armazenado em nosso corpo vital, até que seja convertido em energia dinâmica pela natureza marcial do desejo.



** O autor escreveu esse texto no início do século XX e se referia ao leite extraído diretamente da vaca para consumo imediato. É preciso lembrar que hoje são raríssimas as vacas que se alimentam exclusivamente de capim, pois a maioria se alimenta com ração à base de milho. Essas rações modificam o metabolismo animal especialmente no que diz respeito à relação ômega 3 / ômega 6 em favor desse último (Sobre isso, vide os livros campeões de venda de Michael Pollan, “O Dilema do Onívoro”, e de David Schreiber, “Anticâncer”). O desbalanço caracterizado pelo aumento de ômega 6 em relação ao ômega 3 coloca o corpo em estado de inflamação. A inflamação por sua vez predispõe a doenças crônicas e aparecimento de neoplasias (cânceres). Cuide em diferenciar o leite da vaca do leite de saquinho ou de caixinha, pois são substâncias de naturezas diferentes. Tudo o que é da natureza tem vida e vitalidade e se renova rapidamente, já o que tem pouca vida e pouca vitalidade, pode ser conservado por meses quando não indefinidamente.

SUGESTÃO DE EVENTO - ESPAÇO LUZ 01/10/16


domingo, 4 de setembro de 2016

SUGESTÃO DE EVENTO 25/09/16 - ENCONTRO DA SAÚDE



17º Encontro da Saúde

Local: Centro de Educação Vitalícia de Itapeti (Mogi das Cruzes, SP). Mapa abaixo.

Data:  Domingo, 25 de Setembro de 2016.                                  

Programação:

09:30 - 10:00  Inscrição

10:00 - 10:05 Hino Nacional

10:05 - 10:15 Primeiro momento: Nobolo Mori

10:15 - 10:45 Estar em Mim, único Caminho: Plínio Cutait
10:45 - 11:15 Jorge Akira Gunji: Administrando a Saúde
11:15 – 11:30 Intervalo
11:30 - 12:00 Eutress e Distress: Sidnei Shoji Mori
12:00 - 12:30 Liberdade: Cleonice Marim 

12:30 - 13:30 Almoço: motiyori contribua com um prato vegetariano.

13:30 - 14:10 O som da saúde: Ludmila C S Poyares
14:10 - 14:40 Quando o terapeuta que cuida não se cuida: Osvaldo Hakio Takeda
14:40 - 14:55 Intervalo
14:55 - 15:25 Não faço o bem que quero, mas o mal que não quero: Ricardo Leme

15:25 - 16:05 O mecanismo da Vida: Jorge Maeda                                   
16:05  - 16:10 Agradecimentos: Koshiro Nishikuni


Perfil dos palestrantes

Plínio Cutait
Mestre em Reiki
Coordenador do grupo de Cuidados Integrativos do Hospital Sírio Libanês.

Jorge Akira Gunji
Tesoureiro do Instituto de Moralogia do Brasil
Administrador e Gerente Comercial Eletro Salvador.

Sidnei Shoji Mori
Presidente do Instituto de Moralogia do Brasil
Médico Ortopedista e Administrador na área da Saúde.

Cleonice Marin
Instrutora de Biyun - Mestra Fan Xiulan
Praticante de Lian Gong - Qigong - Chi Kung.

Ludmila C S Poyares
Musicoterapeuta, especialista em Psicopatologia e Saúde Pública. Pesquisadora e Coordenadora do setor de Musicoterapia no Centro de Reabilitação do Instituto de Psiquiatria HC-FMUSP.

Osvaldo Hakio Takeda
Prof. Ed. Física, Mestre-EEUSP. Coordenador do Núcleo de Cuidados Complementares e Integrativo do Centro de Reabilitação do Instituto de Psiquiatria do HC-FMUSP.

Ricardo Leme
Neurocirurgião e Doutor em Ciências pela USP. Graduando em Física pela USP
Autor do livro e do blog: “Saúde é Consciência”.

Jorge Maeda
Coordenador de Seccional Mooca do Instituto de Moralogia do Brasil.
                                                           
Informações: Sr Asano 3834-4879, contato: sasano2011@gmail.com; nishikuni.k@gmail.com

Promoção: Instituto de Moralogia do Brasil. Av. Pres. Antônio Cândido, 122 – São Paulo - SP

Contribuição: Individual: R$ 20,00


Centro de Educação
Vitalícia de Itapeti


Rodovia Arujá-Mogi das Cruzes, km 45.
Acesso pela Estrada da Moralogia, (~7 km)
Tel: 3834-4879 ou   99974-7070