Especiais

Loading...

terça-feira, 12 de agosto de 2014

SOBRE BANANAS CONSCIÊNCIA E SAÚDE

Por: Mário Inglesi - Correspondente Internacional do Blog Saúde é Consciência
Ilustrações e Vídeos - Ricardo Leme - Auxiliar Técnico



Dr. Ricardo,
      Pelo visto já dispensaram o médico e seu receituário de medicamentos, em troca de um novo produto milagroso a “banana” em voga no merchandising no país, através da Internet – coisa fina, hein? – para a eficácia de uma saúde realmente plena e satisfatória para todos os males.
Em princípio, é lógico que não se tenha nada contra comer bananas. Apenas, preferencialmente, é bom que se diga logo, é de melhor gosto ser mais chegado à maçã. Talvez por já ser levado em conta – desde tempos remotos – como fruto proibido e, assim, de maior apelo. Afinal, segundo seu slogan promocional, também ainda em vigência, “com uma maçã por dia, do doutor te livrarias”.
Mas, é preciso cuidado – e muito –, quando a porca torce o rabo, não há como não apelar para o médico, esse que – coitado – já foi tachado, em priscas eras, de “curandeiro”, isto é, provedor de cura. Seja através de ervas ditas medicinais, seja por beberagem de sucos de tais ervas ou ainda por meio de ventosas e mais ventosas, ou ainda, pelas sangrias, quando os chamávamos de meu médico, médico de família, pessoa de confiança e de respeitabilidade, que juntamente com o pároco local, os parentes do doente erigiam inflamadas rezas, ditas em voz alta, para aliviar o mal estar do paciente a caminho da eternidade, sem dores ou pecados. E, hoje, vulgarmente o chamamos de “doutor”, dado principalmente aos seus estudos de especialista em áreas que fizeram do paciente um ser retalhado em partes, e, sujeito a exames laboratoriais inclusive de prevenção de doenças.
Parte disso tudo, felizmente, são coisas de passado remoto.
Hoje tudo mudou! Ou até se aprimorou, Convenhamos – na maioria dos casos – graças ao – sempre presente – merchandising - que promove o seu boom – frutas milagrosas, como a banana, ou a maçã, e quem sabe, em algum dia, não muito distante, a jaca, a jabuticaba, o figo da índia e tantas e tantas outras frutas, dar-se-á, por si sós, o milagre da cura ou da vida saudável, ou mesmo da eterna juventude.

Por enquanto, o que se sabe, é que quem realmente obteve frutos de enriquecimento e poderio – não de saúde – mas de dinheiro no bolso, foi a United Fruit Company, a maior produtora e exportadora de bananas, cuja força tamanha colaborou na derrubada de governos de diversos países da América.
Para nós, brasileiros, a sorte foi em sentido bem mais eficiente, pois a banana ganhou ares de comestível saudável, sobremesa imperdível, denominada banana Split (banana com sorvete e calda de chocolate) e fama lúdica e cultural.
Afinal, podemos nos orgulhar

Yes, nós temos bananas
Bananas pra dar e vender
Banana menina
Tem vitamina
Banana engorda e faz crescer
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Pro mundo inteiro
Homem ou mulher!
Bananas para quem quiser.
(Composição de Alberto Ribeiro e João de Barro (Braguinha)).

Ou, ainda, nos vangloriar de sermos premiados com a bela “A Filha da Chiquita Bacana, de Caetano Veloso, como símbolo da ‘Women’s Liberation Front”
Esse orgulho, todavia. Já teve seus dias de esconso e vergonha. Afinal, já fomos pejorativamente tachados de “república das bananas”, onde, macacos, nos consideraram, – só sabíamos comer bananas e pisar, em escorregadelas monumentais em suas cascas, com gritos e urros doridos, de “arreda capeta!”. Ou, ainda, com face ruborizada, por vergonha da queda, nem sempre respeitada, mas plena de malícia e risos incontidos.
Por sua vez chamar alguém de banana era julgá-lo pessoa fraca, de índole banal. Não se conhecia ainda e não se comia espinafre, em lata, tal como preconizava o célebre Popeye. Como também proceder ao “bras d’honneur (braço de honra) gesto feio para desqualificar o outrem oferecendo-lhe uma banana. Embora em moda, não era de bom tom. Demonstrava deseducação.
Entretanto, como tudo muda, essa visão felizmente sofreu mudanças benéficas. A banana brasileira aflorou em grande e majestoso estilo nos EUA com a nossa embaixatriz do samba, Carmem Miranda, a “pequena notável”. Tornando-se produto admirado e de boa acolhida na mesa do brasileiro ou estrangeiro que por aqui aportasse.
Daí pra frente, passamos a ser não mais os reis da cocada preta, e sim, da banana, com todo seu arsenal de iguarias e feitios, esbanjando ainda símbolos de virilidade com uma sexualidade nunca dantes por nós imaginada.

Hoje, com tudo que nos cerca, a banana virou excelente mercadoria, item de comercialização e lucro, resguardado felizmente todo o seu arsenal picaresco e satírico, que sempre a coroou, e cujo merchandising ainda hoje não soube valorizar, apegando-se apenas à enganosa propaganda de efeito apenas mercadológico e financeiro.
A saúde, nesse contexto frutífero todo, é mero item chamativo, que serve de escudo para a ganância mercadológica, a exemplo do que ocorre com o recente merchandising da água que dita regras para sua ingestão em prol da saúde, mas ao mesmo tempo lhe dá o nome de fantasia do produto a ser consumido.
Portanto, é muita ingenuidade supor que mera degustação de uma fruta, ainda que diariamente, ou de um produto, ainda que natural, possa pautar a excelência de uma vida saudável, cuja satisfação – é urgente ter consciência – deve-se a um conjunto de fatores existenciais e vivenciais, que compreende desde o ar que respiramos à vida que levamos, ao trabalho social que empreendemos, à vida cultural que abraçamos, à sexualidade que precisamos satisfazer, às liberdades de pensamento e sua difusão, indispensáveis ao atendimento dos embates sociais que travamos em benefício do desenvolvimento de uma democracia auspiciosa para todos, onde aquelas liberdades, e outras mais, em seu conjunto, tenham prioridade plena de existência e permanência, no enfrentamento real e adequado dos mistérios da vida.

“A gente não quer só comida
A gente quer comida
Diversão e arte
. . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A gente não quer só comida
A gente quer a vida
Como a vida quer.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A gente não quer só comer
A gente quer comer
E quer fazer amor
A gente não quer só correr
A gente quer prazer
Pra aliviar a dor
. . . . . . . . . . . . . . . . . .

Desejo, necessidade, vontade
Necessidade, desejo, eh!
Necessidade, vontade, eh!
Necessidade…
(letra e música “Titãs”)


Afora isso, tudo se resume a falácias para enganação cuja prioridade se resume no atendimento a interesses pessoais ou corporativos sejam de que natureza for.
Saúde compreende a satisfação de muitos e muitos quesitos, sejam eles pessoais, sociais, de ordem existencial e natural, inclusive quanto à saúde mental, muito pouco atendida e por demais negligenciada.
É preciso sempre ter em mente o deveras combativo slogan: “Saúde é Consciência”.

Abraços não embananados, mas de gulodice e água na boca por um doce de banana caramelado.
Mário Inglesi


EVENTO SUGERIDO - NUTRIÇÃO E CONSCIÊNCIA


quinta-feira, 7 de agosto de 2014

SETE VEZES? - SETE VEZES SETENTA!



Nada é em vão neste mundo de luz…
Em um momento que o partir para a ignorância se mostra cada vez mais enfático, talvez importe ser um pouco menos ignorante. O ignorante, diferente do tapado, é aquele que ignora, não sabe. Por ignorar repete o que ouviu ou disseram, visto não "ter tempo", esta de fato sina do ignorante, não ter tempo...

Quando o tempo não há, aí o tempo fecha!
Quando há tempo a ignorância não passa pela brecha.

Sete escritos, sete obras que ajudam observar desde saúde à insanidade, o movimento humano na matéria assim como o movimento moral em diferentes momentos e nas diferentes camadas de consciência que o humano pode operar. Referências indispensáveis para os que buscam um melhor entendimento das razões profundas da situação em que a humanidade se encontra no presente. Existe uma medicina na literatura e na história da humanidade, não carece de prescrição médica, senão da boa vontade do estudante humano.
Carlos Marx – O capital - http://pt.wikipedia.org/wiki/Karl_Marx
(Como a obra é extensa e as repetições constantes sugere-se a edição resumida por Julian Borchardt traduzida para o português).
Adolfo Hitler – Minha luta - http://pt.wikipedia.org/wiki/Adolf_Hitler
Michael Ende – A história sem fim - http://en.wikipedia.org/wiki/Michael_Ende  
Erich Fromm – O medo à liberdade - http://pt.wikipedia.org/wiki/Erich_fromm
Jiddu Krishnamurti – A arte de aprender – Carta às escolas - http://pt.wikipedia.org/wiki/Jiddu_Krishnamurti
Peter L. Berger e Anton Zijderveld – Em favor da dúvida – como ter convicções sem se tornar um fanático
Herman Hesse – O jogo das contas de vidro - http://pt.wikipedia.org/wiki/Hermann_Hesse
Após a leitura ou se já leu, seu comentário será muito bem vindo.
Marcas do que se foi, um dia crianças e já no outro, pegadas de convicções desde o caos ao cosmos...

terça-feira, 5 de agosto de 2014

ASTROLOGIA – ARIANO SUASSUNA

Por: Ariano Suassuna - extraído do livro "Romance d'A Pedra do Reino"



Pedro Dinis Quaderna nasceu a 16 de Junho de 1897, na terceira década do Signo de Gêmeos, tempo no qual, segundo os livros de Astrologia, “pode nascer um Gênio verdadeiro”, sendo as pessoas nascidas aí “afetuosas e inconstantes, mas assinaladas e terríveis”. O Planeta desse signo, é Mercúrio, astro que, segundo o Lunário Perpétuo, tem domínio “sobre os Poetas-escrivães, letrados, Pintores, ourives, bordadores, tratantes, diligentes e mercadores”, sendo de notar que, quando há predominância das influências maléficas, aparecem entre os de Gêmeos “os charlatães, Palhaços, embusteiros, ladrões, estelionatários e falsificadores”!
– Como foi que você disse, meu Padrinho? – indaguei como se fosse de modo casual. – Você falou em poetas-escrivães, foi? Ouviu, Samuel? Quer dizer que eu sou como Pero Vaz de Caminha, um poeta-escrivão da Armada Brasileira!
O Fidalgo deu um muxoxo:
– O que você pode ser é um Palhaço, marcado pela “influência maléfica de Gêmeos e Mercúrio”, um embusteiro e falsificador de moeda!
– Não faltando com o respeito, o senhor está enganado, Doutor Samuel! – contestou João Melchíades. – Na terceira década do signo de Gêmeos, os influxos astrais são benéficos, pois Mercúrio já está iluminado pelo Sol! Aliás, Dinis sabe disso melhor do que eu, e pediu ao irmão dele, Taparica, para cortar um taco de madeira, representando o carro de Mercúrio alumiado pelo Sol e conduzido por um Gavião, com o signo de Gêmeos nas rodas!