terça-feira, 4 de junho de 2013

ALIMENTAÇÃO CONSCIENTE I




“Seja o seu alimento seu medicamento e seja seu medicamento o seu alimento”

Hipócrates 2500 anos atrás



“A quimioprevenção por intermédio de ingredientes fitoquímicos comestíveis é doravante considerada um enfoque simultaneamente adotável, facilmente aplicável, aceitável e acessível para o controle e a gestão do câncer.”

Surh YJ. - Revista Nature Reviews Cancer 2003 (2500 anos após Hipócrates!!!)



      Demorou 2500 anos para a revista Nature, em palavras rebuscadas, parafrasear o patrono da medicina, por quem os formandos juram quando de sua formatura. Claro que discretamente fazendo menção à doença, um detalhe que inspira o temor do leitor e dessa forma desperta sua atenção. Preste atenção, amigo desconhecido, a tudo o que desperte seus temores e com arte e maestria, invista algum tempo desarmando estas minas, antes que elas machuquem alguém...

A alimentação é um dos pilares fundamentais da medicina da saúde. Nas escolas, atuais berços do humano do futuro, local sagrado onde já se trata, entre outros assuntos, até de educação sexual, causa estranheza o fato de não haver uma disciplina que oriente sobre educação alimentar. Por incrível que pareça, é na alimentação da criança que o processo crônico de adoecimento principia. Obesidade, hipertensão arterial crônica, diabetes tipo II e mesmo os transtornos de dificuldade de atenção cada vez mais frequentes nas crianças, podem ser evitados na sala de aula! Os filhos do açúcar e de seus irmãos brancos desde o leite aos refinados, em forma de sal, farinha e arroz branco, podem se beneficiar muito das recentes descobertas da ciência da nutrição. Para começar, um passo por vez, a simples mudança do arroz branco para o integral já seria suficiente para uma transformação inimaginável para a saúde do brasileiro. Veja neste link quantos nutrientes se escondem na fina casca do arroz integral, base da nutrição saudável:




Nós, as pessoas, precisamos auxiliar a fragilidade do legislador e sua caneta, reféns da conveniência e eventuais expressões da conivência. Um brasileiro bem alimentado, com as vitaminas do complexo B (presentes na casca do arroz integral), que fortalece o sistema nervoso e seus neurotransmissores, certamente vai pensar melhor e ser mais útil para a nação.

Hoje a ciência convencional é tida pelo “poder vigente” como autoridade mor em ditar a cartilha do que é certo ou errado, do que é bom ou ruim para as pessoas. Silenciosa, a “outra ciência”, tradicional, portadora da sabedoria milenar da raça humana, caminha em paralelo amparando aqueles que em seu tempo se apercebem da profunda interconexão existente entre o macro e o microcosmo. Infelizmente ou felizmente para alguns, nosso tempo existencial terreno, cerca de 90 anos, é insuficiente para nos apercebermos da fragilidade de alguns dos sistemas de valores que sustentam a organização social. O mesmo vale em relação a interesses ocultos sob o manto da invisibilidade midiática e seus representantes simpáticos que sempre portam nas mangas soluções e propostas de efeito em curto prazo e de fácil acesso. O prejuízo decorrente de nossa desatenção recai invariavelmente sobre aqueles de nós, que na escassez de tempo para pesquisar e vítimas de uma educação carente, tornam-se consumidores inconsequentes ou ainda pior, INCONSCIENTES!

Vale ver como o professor Lair Ribeiro aborda o assunto:

 

Uma alternativa válida na direção de resgatar o pensar, atualmente anestesiado, está no redimensionamento de alguns pares de opostos de difícil, senão impossível, reconciliação, por exemplo: educação e seu oposto complementar, a escola (vide o trabalho do filósofo Ivan Illich (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ivan_Illich) e do expoente brasileiro Paulo Freire (http://www.paulofreire.ufpb.br/paulofreire/); e a religião e seu oposto complementar, o templo. O colírio da reflexão viva auxilia o despertar do discernimento, assim temos que “Templo é dinheiro” e que “Tempo é religião”, mas em algum ponto alguém descuidadamente abreviou: “Tempo é dinheiro” e muitos desde então se perderam do caminho da nutrição interior, da alma, em função de uma dedicação quase que integral a uma nutrição exterior, da lama. A consciência alimentar, de alma ou de lama é fundamental na compreensão do estado de realização pessoal em que você se encontra.

      Eu concordo com Hipócrates em que a alimentação seja o princípio fundamental da saúde, visto se tratar da prescrição diária, ou o pão nosso de cada dia, em meu caso três vezes ao dia; vinte e uma vezes por semana; noventa vezes por mês; mil e noventa e cinco vezes por ano; Você já pensou nisso?

9 comentários:

  1. Olá, bom dia!

    A escola, além de não ensinar a importância de uma boa alimentação, não só às crianças, mas também aos pais que ainda não aprenderam, contribui com os péssimos hábitos alimentares dos brasileiros, comercializando em suas lanchonetes cheetos, ruffles, refrigerantes, dentre outras porcarias comestíveis que aprendemos a gostar já na infância, participando ativamente da piora do quadro de saúde da população.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro/a amigo/a desconhecido/a,

      De fato, causa estranheza bisonte fato! Outrossim, que autoridade resta aos órgãos de combate às drogas ilícitas se as lícitas citadas pelo/a bondoso/a amigo/a estão nas prateleiras?!

      Agora sim fiquei confuso!?

      Abraço

      Excluir
  2. "O mesmo vale em relação a interesses ocultos sob o manto da invisibilidade midiática e seus representantes simpáticos que sempre portam nas mangas soluções e propostas de efeito em curto prazo e de fácil acesso."

    Gostei muito do texto, Ricardo! Tenho pensado bastante,atualmente, nessas questões. Obrigada por me fazer refletir um pouco mais sobre o assunto. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é muito bom!

      Se bem que tenho pensado muito sobre refletir sabe?! Essa coisa de refletir é do espelho, o espelho reflete não é mesmo? Veja você a lente! Olhamos para ela e nossa visão ganha uma nova perspectiva, atravessa aquele cristal e enxerga diferente; será que Narciso pensou nisso?

      Um abraço e até breve!

      Excluir
    2. Concordo, mas isso é porque você é estudante de Física, rs. O verbo comporta as duas interpretações: http://aulete.uol.com.br/refletir. ;)
      De qualquer forma, não quero ser simplesmente igual a Narciso, e sim ir além do reflexo. Bela analogia!

      Excluir
    3. Concordo, mas isso é porque você é estudante de Física, rs. O verbo comporta as duas interpretações: http://aulete.uol.com.br/refletir. ;)
      De qualquer forma, não quero ser simplesmente igual a Narciso, e sim ir além do reflexo.

      Bela analogia!

      Karina

      Excluir
    4. Sem dúvida!

      Mas é aquela coisa né, as interpretações... Que pena que ainda não conseguimos interagir com o conhecimento vivo, precisamos ainda matá-lo para poder nos comunicar...

      Se fui parcial prosando, tento de novo poetando...

      "A prosa essa menina teimosa
      A poesia essa menina vazia
      Na teimosia o reflexo reflete
      No vazio o reflexo irradia
      Prosa e poesia
      meninas em seus vestidos
      Vestido de pele
      Vestido de sal
      Vestido de luz
      Vestido vestal
      Poesia amiga
      da prosa Rosa
      Ilumine nossas vestes
      Prova de amor pelo que viestes"

      Seja bem vinda por aqui Karina

      Excluir
  3. A colocação de Hipócrates é muito importante para observarmos que, se bem alimentados qualitativamente, somos fortes.
    Agradeço a receita.
    Sucesso,
    Gilmar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Justo Gilmar!

      Você tocou no ponto exato: qualitativamente

      Abração

      Excluir